5 Razões Para Fazer Uma Sessão Fotográfica // 5 Reasons Why You Should Do a Photo Session

Apenas por uma imagem conseguimos conhecer parte da história desta família composta por quatro elementos. Aqui, por exemplo, as crianças - dois rapazes - com as nódoas negras tão típicas de quem aproveita a infância ao máximo. Marcas de quem arrisca e se diverte, de quem constrói memórias e partilha sorrisos. As memórias deste dia ficaram registadas para a posteridade desta família e poderão, mais tarde, ser relembradas e revividas.

Apenas por uma imagem conseguimos conhecer parte da história desta família composta por quatro elementos. Aqui, por exemplo, as crianças - dois rapazes - com as nódoas negras tão típicas de quem aproveita a infância ao máximo. Marcas de quem arrisca e se diverte, de quem constrói memórias e partilha sorrisos. As memórias deste dia ficaram registadas para a posteridade desta família e poderão, mais tarde, ser relembradas e revividas.

Antes de começar a ler este post, pergunte-se: «Porque é que fotografo tudo? Os lugares onde vou, as pessoas com quem estou…»

A fotografia é muitas vezes subvalorizada. A verdade é que não é um bem necessário à nossa vida mas a longo prazo pode transformar-se numa parte bastante importante. Hoje vimos falar-lhe de 5 razões pelas quais vale a pena investir numa sessão fotográfica profissional.

Evolução

A família é o mais importante e ao longo dos anos vai-se modificando. É importante registar a evolução da mesma para um dia mais tarde recordar de forma vívida momentos que se passaram em conjunto. Até porque uma sessão fotográfica não é só algo que se faz por fazer mas também um momento diferente e divertido que contribuirá para gargalhadas e emoções com a benece de estas ficarem bem registadas para a posterioridade. Um bom exemplo da importância da fotografia são as sessões de Smash The Cake. Estas sessões, que visam registar de forma descontraída e bem divertida o primeiro aniversário do bebé, permitem que a própria criança mais tarde se reveja numa situação da qual não tem memória. Sejamos sinceros, quantos de nós nos lembramos do nosso primeiro aniversário? Ele aconteceu, mas éramos demasiado pequeninos para o retermos na nossa memória. Quanto muito lembramos-nos de fragmentos. Fragmentos esses que existem porque há imagens que retratam esse acontecimento.

Emoção

Reviver momentos passados junto dos que mais amamos vai sempre emocionar-nos. Especialmente quando já não temos oportunidade de estar junto dessas pessoas. Seja pela distância a que vivemos delas ou porque infelizmente já não estão fisicamente presentes. Afinal, se assim não fosse, nem mesmo a fotografia de casamento faria sentido. Ela existe exactamente para que mais tarde possamos reviver as emoções de um dia tão importante vezes e vezes sem conta. Mas lembre-se, nem só o dia do casamento é importante. Na verdade, todos os dias e momentos que partilhamos com aqueles que mais amamos são importantes e merecem ser celebrados e registados de quando em vez.

Se a casa pegar fogo...

...o primeiro bem material que vai querer salvar serão, muito provavelmente, as fotografias da sua família e da sua história de vida. Sejam elas impressas ou em formatos digitais (como USB), o que é certo é que naquele momento, de repente, o único bem material que lhe interessa salvar são as memórias da sua infância, do dia em que terminou a faculdade ou de quando fez aquela viagem ao seu destino de sonho. Afinal, tudo o resto poderá ser reavido. Os documentos poderão ser emitidos novamente. Os computadores podem mais tarde ser novamente adquiridos. Mas o registo da sua infância não poderá ser repetido. Uma vez perdidas ou danificadas, as fotografias não podem ser refeitas. Não poderemos recuar novamente até à nossa infância para registar de novo aqueles momentos que vivemos inicialmente.

Fotografias são o único bem material que...

...temos dos entes queridos que já não estão entre nós fisicamente. Quando aqueles que amamos partem, os seus retratos passam a ser o que mais valorizamos. Transmitem-nos paz, permite-nos manter o contacto e a sua memória viva. Facilita o luto e remonta-nos aos momentos que passámos juntos deles, à sua gargalhada e até ao som da sua voz. Nos dias em que a saudade aperta podem reconfortar-nos de alguma forma, fazer-nos sentir acompanhados e aconchegados pelos que já partiram. Aquecem-nos o coração.

Memória

A memória é traiçoeira, um autêntico puzzle. Hoje está perfeita mas daqui a uns anos pode começar a desvanecer, a perder peças. Momentos que hoje são inesquecíveis aos poucos vão ficando para trás, subterrados por novas memórias, mais vívidas, mais recentes. Pequenos detalhes vão sendo esquecidos dando lugar a outros mais actuais. E quando dermos por nós temos 80 anos de vivências mas recordamos apenas um fragmento daquilo que realmente vivemos. Nestas alturas, recorrer às imagens fotográficas pode aconchegar-nos. Ajuda-nos a perceber o quanto vivenciámos, tudo pelo que passámos: bom e mau. As nossas pequenas conquistas, os nossos sucessos e também fracassos. Os amigos que fizemos, os lugares por onde passámos e até o estilo que já tivemos um dia. Quantas vezes não revisitamos a nossa caixinha de memórias com fotografias de quando éramos adolescentes e damos por nós quase chocados por termos usado aquela roupa que na altura era a nossa favorita mas da qual a nossa memória - convenientemente - se esqueceu? 

A arte da fotografia conta histórias. A nossa história. A história daqueles que mais estimamos. A história daqueles momentos tão importantes que não mais se voltarão a repetir. E isso, por si só, já acarreta um grande valor. Não monetário, mas sentimental, que é o valor mais importante.

In the image description above: «Only by an image we can know part of the history of this family composed by four elements. Here, for example, children - two boys - with the bruises so typical of those who enjoy their childhood to the fullest. Bruises of who risks and has fun, of who builds memories and shares smiles. The memories of this day were recorded for the posterity of this family and could later be remembered and revived.»

»

Before you start reading this post, ask yourself: "Why do I photograph everything? The places I go, the people I'm with ... »

Photography is often undervalued. The truth is that it is not a necessary good in our life but in the long run it can become a very important part. Today we talked about 5 reasons why it is worth investing in a professional photo shoot.

Evolution

The family is the most important and over the years it is changing. It is important to record the evolution of the same for a day later to recall in a vivid way moments that have passed together. Even because a photo shoot is not only something that is done by doing but also a different and fun moment that will contribute to laughter and emotions with the benefit of these being well recorded for later. A good example of the importance of photography is the sessions of Smash The Cake. These sessions, which aim to register the baby's first birthday in a relaxed and fun way, allow the child to review himself later in a situation that he has no memory of. Let's face it, how many of us remember our first anniversary? It happened, but we were too little to retain it in our memory. At most we remember fragments. Fragments that exist because there are images that portray this event.

Emotion

Reliving past moments with those we love most will always thrill us. Especially when we no longer have the opportunity to be with these people. Either by the distance we live from them or because unfortunately they are no longer physically present. After all, if it were not so, even wedding photography would not make sense. It exists exactly so that later we can relive the emotions of such an important day but remember, not only is the wedding day important. In fact, all the days and times we share with those we love most are important and deserve to be celebrated and recorded from time to time.

If the house catches fire ...

... the first material good that you will want to save will most likely be the photographs of your family and your life story. Whether they are printed or in digital formats (such as USB), what is certain is that at that moment, suddenly, the only material good you are interested in saving are the memories of your childhood, the day you finished college or when you did that trip to your dream destination. After all, everything else can be salvaged. Documents can be issued again. Computers can later be re-purchased. But the record of his childhood can not be repeated. Once lost or damaged, photographs can not be redone. We will not be able to go back again until our childhood to record again those moments that we live initially.

Photographs are the only material thing that ...

... we have from loved ones who are no longer among us physically. When those we love leave, their portraits become what we value most. They give us peace, it allows us to keep the contact and their memory alive. It facilitates mourning and goes back to the moments we spent together, to their laughter and even to the sound of their voice. On days when nostalgia tightens can comfort us in some way, make us feel accompanied and snug by those who have left. They warm our hearts.

Memory

Memory is treacherous, an authentic puzzle. Today is perfect but in a few years can begin to fade, to lose pieces. Moments that are unforgettable today are gradually falling behind, submerged by new memories, more vivid, more recent. Small details are being forgotten giving way to more current ones. And when we give it up we have 80 years of experience but we remember only a fragment of what we really live. At this point, resorting to photographic images may snuggle. It helps us to realize how much we have experienced, everything we have been through: good and bad. Our small achievements, our successes and also failures. The friends we made, the places we went to, and the style we once had. How many times have we not gone back to our little memory box with pictures of when we were teenagers, and we were almost shocked that we had worn those clothes that were our favorites at the time but which our memory conveniently forgot?

The art of photography tells stories. Our story. The story of those we treasure most. The story of those moments so important that they will not repeat themselves again. And that, by itself, already carries a great value. Not monetary, but sentimental, which is the most important value we have.